Teletrabalho, Reforma Trabalhista e perspectivas da modalidade home office no Brasil

Entrevista com Olimpio Alvares – Diretor de meio Ambiente e Sustentabilidade da Sobratt

Evitar o deslocamento diário de casa para o escritório é uma boa opção? De que forma o trabalho a distância pode beneficiar empresas e funcionários? Quais cuidados são importantes antes de adotar essa prática no dia a dia profissional? Saiba mais sobre o assunto em entrevista exclusiva com Olimpio Alvares, Diretor de meio Ambiente e Sustentabilidade da Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades (Sobratt), autoridade que integra o time de palestrantes da Virada da Mobilidade 2017.

Virada da Mobilidade: O trabalho a distância é uma tendência real no Brasil? Se sim, quais são os principais indícios que apontam para essa nova realidade? 

Olimpio Alvares: A pesquisa nacional inédita de Home Office, em sua segunda edição, indica que o Teletrabalho é uma tendência em crescimento no Brasil. A pesquisa Home Office Brasil, edição 2016, foi feita com 325 empresas de diferentes segmentos e portes, de diversas regiões do país.

De acordo com os dados, o interesse por parte das empresas também aumentou, o que reflete no crescimento de 47% no número de participantes, em relação à primeira edição de 2014. Além disso, mostra que ainda que houve 50% de aumento no número de empresas que estão implantando a prática, 15% de aumento no número de empresas que estão estudando a implantação da prática e de 28% de aumento na formalização da prática.

80% das empresas que adotam o Teletrabalho implantaram o mesmo nos últimos cinco anos. A existência do trabalho a distância ocorre em empresas públicas e privadas, sendo 67% multinacionais.

O estudo foi conduzido pela SAP Consultoria teve o apoio institucional da Sobratt e o patrocínio do GCONTT (Grupo de Consultoria em Teletrabalho).

De que forma empresas e funcionários ganham com essa modalidade de trabalho?

Os principais ganhos obtidos com a implantação da prática, identificados pelas empresas, foram produtividade (54%) e aumento da satisfação e engajamento de colaboradores (85%). Em mais de 80% das empresas, o Home Office é utilizado para a atração e retenção de colaboradores, além de permitir a otimização dos processos internos. O estudo da SAP Consultoria também levantou o comportamento esperado pelas empresas que adotam a prática, junto aos elegíveis; destacaram-se o nível de independência (80%), aspectos tecnológicos (58%), compreensão de seu trabalho (54%) e produtividade (51%).

Como o trabalho a distância pode ser um aliado na busca de melhor mobilidade, principalmente nas grandes capitais?

O Teletrabalho implica, na maioria dos casos, deixar o veículo particular em casa algumas vezes por semana, ou algumas vezes por mês, ou não utilizar o transporte público motorizado, que em grande parte das vezes é o ônibus. Com a disseminação da prática do Teletrabalho nas empresas públicas e privadas em grandes cidades congestionadas, pode-se evitar milhares de deslocamentos motorizados diários nos horários de pico, reduzindo o tráfego, os congestionamentos, o consumo de combustíveis e as emissões atmosféricas tóxicas e de gases do efeito estufa.

Quais cuidados empresas e funcionários devem ter ao adotar esse sistema?

Há muitos aspectos e detalhes a serem observados para a boa prática do Teletrabalho. Vamos citar aqui alguns, de grande relevância:

– Tanto os gestores, quanto os teletrabalhadores devem passar por um período de intensa exposição à informação específica e ao treinamento para que entendam os principais conceitos e aspectos críticos do relacionamento a distância entre empregados e gestores, o que pode evitar eventuais equívocos e  prejuízos para a empresa com um programa mal implementado;

– O regime de Teletrabalho deve ser estabelecido mediante termo aditivo ou novo contrato  que estabeleça claramente todas as condicionantes e especificidades do Teletrabalho: direitos, deveres, horários de trabalho, horas extras, horas de descanso, código de vestuário, questões sobre ergonomia, equipamentos e insumos para o trabalho a distância, regras de segurança da informação, relatórios, regras de segurança e salubridade no trabalho, local apropriado ao desempenho das funções sem interrupção e/ou perturbação de familiares e outros indivíduos, alimentação etc

– O Teletrabalho é baseado essencialmente na confiança dos gestores na capacidade e responsabilidade profissional dos teletrabalhadores. O perfil psicológico e o tipo de atividade são essenciais para determinação da elegibilidade para o Teletrabalho;

– Os gestores devem manter contato estreito com os empregados por meio das tecnologias de informação e comunicação e acompanhar de modo sistemático e organizado o desempenho das atividades dos teletrabalhadores, a fim de avaliar de modo objetivo sua produtividade;

– Pelo menos uma vez por semana é recomendável que os Teletrabalhadores trabalhem de forma presencial, para tratar de temas específicos que demandam uma interação mais profunda com os colegas, bem como para manter uma atividade social saudável e próxima com os companheiros de trabalho, chefias e subordinados.

Quais ações são promovidas pela Sobratt no Brasil?

Entre as ações e objetivos da Sobratt, observa-se ao longo de seus dezoito anos de existência, a ênfase na construção de uma rede nacional de especialistas e estudiosos do Teletrabalho e de sinergias capazes de unificar os principais atores na promoção dessa modalidade de subordinação trabalhista, para uma maior penetração junto a tomadores de decisão das organizações públicas e privadas.

Assim, a Sobratt visa a criar e a manter um fórum aberto para a troca permanente de informações entre seus diretores, associados e a sociedade civil, participando em múltiplos fóruns e produzindo dados, informação e conhecimento novo no Brasil, sobre o trabalho a distância.

A Sobratt tem ainda se destacado pela sua forte influência sobre autoridades públicas, políticos e tomadores de decisão e na criação de legislação de incentivo à modalidade do trabalho a distância no Brasil, bem como pelo apoio às iniciativas e associações de Teletrabalho em todo o mundo.

Como parte das atividades da Virada da Mobilidade 2017, a Sobratt promoveu um TeleCoffice no qual, entre outros assuntos, foram abordadas questões sobre a Reforma Trabalhista e o Teletrabalho. O que há para se destacar em relação ao tema?

Com a reforma trabalhista foi estabelecido que o trabalho em home office não está mais sujeito ao controle de jornada, o que acaba por excluir esse trabalhador do recebimento de horas extras. A partir de agora, a prestação do serviço em Teletrabalho deve ser prevista no contrato de trabalho. Para os que já praticam o home office, deverá ser feito um aditivo contratual.

Com a reforma da lei trabalhista, as despesas do empregado para exercer o trabalho a distância devem ser previstas no arranjo contratual. No tocante às normas de segurança do trabalho, a reforma exige que o empregador oriente seus empregados em relação aos cuidados a tomar a fim de evitar doenças e acidentes de trabalho. O empregado tem que assinar um termo de responsabilidade comprometendo-se a seguir as instruções.

E o que falar sobre tecnologia? Atualmente, quais são as inovações e ferramentas que possibilitam que o trabalho remoto seja realizado com eficiência e segurança?

Nosso Diretor de Tecnologia da Sobratt, Fernando Angelieri, explica em sua exposição no Telecoffice da Virada que, na realidade, não houve nenhuma “grande inovação”, mas sim, um aumento de soluções, redução de custo pela concorrência e aumento de funcionalidades, devido ao poder de processamento dos equipamentos, aliado ao aumento de velocidade de conexão com a Internet.

Para se fazer uma vídeo conferência, há 15 ou 17 anos atrás, seria necessário um computador muito poderoso, para processar, renderizar e compactar o vídeo em tempo real, e uma “grande” conexão com a Internet. Hoje, qualquer celular básico faz isso em uma conexão “fraca”.

A maior inovação que beneficiou o trabalho remoto foi o conceito da nuvem, que não é uma inovação propriamente dita e sim um modelo de negócios, onde a empresa pode de uma maneira mais fácil e com segurança, disponibilizar as informações para seus colaboradores e parceiros de negócios.

O que o senhor acha de iniciativas como a Virada da Mobilidade 2017?

Sempre fui um grande admirador do trabalho dedicado do meu colega de Escola Politécnica, engenheiro Marcio Nigro, verdadeiro mago dos deslocamentos urbanos, com seus trabalhos pioneiros na Caronetas; e também por sua persistência e tenacidade na promoção da ideia da mobilidade sustentável, como forma de transformação da qualidade de vida no meio urbano.

Na Virada da Mobilidade todos os anos – que já se tornou uma marca de São Paulo – ele abre as portas a todos os que atuam e militam nas diversas áreas da mobilidade urbana e oferece espaço para expressão de seu trabalho. É uma atividade valorosa e fantástica. As portas se abriram na Virada da Mobilidade também para a Sobratt e dali para frente muita luz nova foi focalizada sobre o trabalho a distância. Só temos a agradecer por este importante up de nossa bandeira.

Uma palavra aos empresários.

Esqueçam os mitos sobre o Teletrabalho da “Era dos Dinossauros”. Não deem ouvidos aos “caranguejos” da gestão corporativa. Acreditem na ciência da administração empresarial oxigenada, nos depoimentos de empresários e trabalhadores modernos, desapegados das “verdades enferrujadas”.

Apliquem as regras e medidas cautelares mínimas, antes de aderirem ao trabalho a distância. Testem o Teletrabalho e observem seus resultados. O máximo que pode acontecer de errado é a volta, dos que foram para casa, para o escritório. O Teletrabalho é plenamente reversível. Vocês não têm absolutamente nada a perder, só a ganhar. Palavra de quem vive e observa o Teletrabalho em todo mundo.

Uma palavra aos trabalhadores sobre adotar o trabalho a distância em seu dia a dia.

Você que passa cerca de três horas ou mais no trânsito, respirando um ar com concentração tóxica cerca de 10 vezes maior que os que respiram o tempo todo ar venenoso em locais um pouco mais afastados dos corredores de tráfego;

Você que engordou e não tem tempo de sobra para se exercitar, praticar esporte ou fazer um curso de aperfeiçoamento para subir mais um degrau na vida;

Você que quer ou precisa muito de um título acadêmico;

Você, sem tempo de namorar, de conviver com seus filhos, de levá-los até a escola aproveitando esse momento para saber da suas vidas, de seus gostos, de seus relacionamentos;

Você que não lê um livro e, há tempos, não escuta mais seu som, não tem um hobby, não pega um cinema e não vai a um show no meio da semana com seu parceiro ou parceira;

Você que não reza, não medita por excesso de agitação interior ou por pura falta de tempo;

Você, com a mente turvada e mal-humorado, que não rende, que é interrompido a toda hora no congestionado escritório;

Você que se entope de café ruim;

Você, estressado, mal da saúde, desanimado com o desgaste do transporte público;

Você, um ser irritado, que já foi assaltado e que se assusta com o barulho e o astral agressivo das ruas;

Você que não vai à feira do bairro e não come mais aquele pastel com caldo de cana e a comidinha fresca feita em casa;

Você que bateu o carro e gasta um montão de dinheiro à toa com gasolina, estacionamento, seguro, lavagem, desgaste e depreciação de seu carro, ou com o caro transporte público, com o vestuário;

Você, chegado num analgésico!! ….

Você já pensou como seria se trabalhasse alguns dias por semana ou por mês em casa, sem nenhum prejuízo de quem quer que seja?

Então visualize…. e experimente se puder, depois me conte. ●

Saiba mais!

Olimpio Alvares é Diretor da L’Avis Eco-Service, especialista em transporte sustentável. Secretário Executivo da Comissão de Meio Ambiente da Associação Nacional de Transportes Públicos – ANTP; Diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades – SOBRATT.

Leia também:

Entrevista com Márcio Nigro, idealizador e organizador da Virada da Mobilidade

Virada da Mobilidade 2017

logo viradaA edição deste ano acontece de 17 a 23 de setembro, com uma programação voltada à conscientização da população em relação à mobilidade urbana e qualidade de vida na Cidade de São Paulo

Com o objetivo de sensibilizar a população paulistana em relação à mobilidade em grandes concentrações urbanas e a correspondente oferta de modais de transporte, a 5ª edição da Virada da Mobilidade marca novamente presença no calendário de eventos da capital, no período de 17 a 23 de setembro.

Logo na abertura, no dia 17, o público é convidado a desfrutar do ALD EXPERIENCE: Mobilidade e Empatia, evento promovido pela ALD Automotive – multinacional do setor de terceirização e gestão de frotas – que trará opções de entretenimento para toda a família, dentre as quais: escola de bike; parede de escalada; pista para experimentar diferentes modais como bicicleta, convencional e elétrica, skate elétrico, patinete; autorama; oficina para confecção de modais de transporte com material de sucata; realidade virtual; apresentação de novas tendências e tecnologias; além de show musical e praça de alimentação com food bikes.

De segunda a quinta-feira, intervenções nos transportes públicos, Workshop e debates com especialistas darão a tônica da Virada, inserindo a população em temas como mobilidade corporativa, empatia na cidade, tecnologia e inovação multomodal. No time de convidados, nomes como: Daniela Swiatek (MobiLab), Flavia Resende (Ethos), Fernando Matias (Easytaxi), Janaina de Mendonça Fernandes (FGV), Luciano Driemeier (Ford América do Sul), Luiza Andrada e Silva  (IVM),  Roberta Ferreira (ALD) e Homero Neves da Silva (Urbem), entre outros.

Na sexta-feira, dia 22 de setembro,  Dia Mundial Sem Carro, a Virada inicia suas atividades com o Desafio Multimodal – um experimento de multimodalidade que conta com a participação de cidadãos em sua rotina de trabalho, partindo de diversos pontos da cidade em direção à Rua Joel Carlos Borges (Brooklin), utilizando pelo menos 3 modais diferentes. Na chegada, o participante encontrará uma rua coberta por um tapete de 700 m² de grama artificial, espaço onde ocorrerão diversas atividades, transformando essa rua num grande parklet (áreas contíguas às calçadas para lazer e convívio, no lugar da  vaga para carros), com opções de saúde, entretenimento e lazer, tais como: quick massage, avaliações nutricionais, pocket shows, bike foods e test drive de bikes elétricas.

“A escolha do meio de transporte deve considerar custo, conforto, disponibilidade e tempo de percurso. Portanto, usar meios de transporte de alta capacidade em vias de alta densidade é essencial para se evitar congestionamentos, enquanto usar veículos de transporte de baixa capacidade – como bicicletas, vans, peruas, automóveis e táxis – em vias de baixa densidade, ajuda a reduzir os custos de transporte público. Tanto biarticulados vazios como carros com apenas um ocupante representam custos para o cidadão e para a cidade; já a troca de modais durante o percurso é um meio inteligente de evitar congestionamentos e gastos aos cofres públicos e à população. A empatia, o planejamento e a multimodalidade fazem com que a cidade seja projetada para uma oferta abrangente de modais, contribuindo para que todos, condutores e pedestres, tenham uma convivência respeitosa.” pontua  Marcio Nigro, idealizador e organizador da Virada da Mobilidade.

A 5º edição da Virada da Mobilidade conta com patrocínio de ALD Automotive, Ford, SLC Textil, Ticket Log, Easy Táxi, Pano Social, Fundação Friedrich Naumann para a Liberdade; apoio do Instituto Cidade em Movimento, Instituto Ethos, Instituto Saúde e Sustentabilidade, E-moving, Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades e Fundação Assefaz. Realização: Caronetas, TcUrbes e URB-i.

ALD Automotive na Virada da Mobilidade 2017

capa

O ALD Experience, evento que marca a abertura da Virada da Mobilidade no domingo dia 17, na Casa das Caldeiras em São Paulo, tem programação para adultos e crianças, inserindo o público na experimentação de diferentes modais de transporte, tecnologias e inovações relativas à mobilidade

O evento  ALD Experience: mobilidade e empatia abrirá a programação da Virada da Mobilidade 2017, realizada de 17 a 23 de setembro, em São Paulo. Organizado pela ALD Automotive – multinacional do setor de terceirização e gestão de frotas –, o evento que será realizado no domingo, dia 17, das 10 às 17 horas, na Casa da Caldeiras, terá atrações para toda a família, dentre as quais: escola de bike; parede de escalada; pista para experimentar diferentes modais como bicicleta, convencional e elétrica, skate elétrico, patinete, autorama; oficina para confecção de modais de transporte com material de sucata; realidade virtual; além de praça de alimentação com food bikes.

As novas tendências e tecnologias na área da mobilidade também terão lugar no evento, como veículos semi-autônomos e aplicativos destinados aos serviços de car-sharing, bike-sharing  e para mobilidade corporativa (abrangendo diferentes modais de transporte), que serão apresentados aos visitantes.

A participação da ALD Automotive na Virada da Mobilidade 2017 tem por objetivo oferecer aos visitantes experiências que possam sensibilizá-los sobre as questões de mobilidade e empatia no trânsito.

Serviço:

ALD Experience: mobilidade e empatia – Virada da Mobilidade

Dia 17 de setembro – 10 às 17 horas

Casa das Caldeiras – Av. Francisco Matarazzo, 2000 – Água Branca

Entrada gratuita

Inscrições: http://www.doinlive.com/aldexperience

____________________

ALD Automotive

Subsidiária do Grupo Société Génerale – um dos grupos financeiros mais importantes na Europa, presente em 77 países, com mais de 160.000 colaboradores, com sede em Paris –  a ALD Automotive é referência em terceirização e gestão de frotas de veículos, com presença em 41 países, oferecendo 1,2 milhões de automóveis corporativos para mais de 100.000 clientes. No Brasil desde 2005, atende 400 clientes em diferentes segmentos da indústria, do comércio e serviços, em todo o país, oferecendo soluções adequadas à cada realidade.

Entrevista com Márcio Nigro, idealizador e organizador da Virada da Mobilidade

Confira o bate-papo e fique por dentro das novidades preparadas para a 5ª edição da virada que acontece entre os dias 17 e 23 de setembro, em São Paulo

barba3Com programação voltada à conscientização da população em relação à mobilidade urbana e qualidade de vida na Cidade de São Paulo, a Virada da Mobilidade 2017 chega à sua 5ª edição com diversas atrações em diferentes pontos da capital. Durante uma semana, o público poderá participar de atividades lúdicas, exposições e palestras com autoridades em assuntos como mobilidade corporativa, empatia na cidade, tecnologia e inovação multimodal. Em entrevista especial, Márcio Nigro, idealizador e organizador da Virada da Mobilidade, compartilha com os leitores curiosidades sobre a edição deste ano e oferece insights interessantes sobre a importância do tema na agenda dos paulistanos.

Como surgiu a Virada da Mobilidade?

Márcio Nigro: A Virada da Mobilidade nasceu durante um almoço com André Palhano, fundador e organizador da Virada Sustentável. Na ocasião, eu, como idealizador do Caronetas – site de caronas que integra colaboradores de empresas e centros de forma segura, prática e gratuita –  percebi a necessidade de criar algo que incorporasse os interesses de todos os demais modais de transporte, olhando para o cidadão e para a empresa.

 O que é a Virada da Mobilidade?

A Virada da Mobilidade tem no seu DNA a multimodalidade, carregando o princípio de que nenhum modal de transporte, de forma isolada, pode ser tratado como o mais adequado a todos os percursos, em todos os horários e para qualquer bolso. Com essa base, convidamos usuários e empresas a conhecerem, refletirem e aplicarem esse conceito nas viagens diárias, usando a tecnologia como aliada.

“Modais de transporte”, o que é isso?

Modos de transporte: bicicleta, skate, patins, patinete, veículos elétricos, trens, metrô, ônibus, carro e carona, entre outros.

Por que multimodalidades?

A vida na cidade é muito dinâmica e em cada horário temos uma situação de tempo, conforto e custo para cada um dos modais disponíveis. A maioria de nós já veio de fábrica com um modal de transporte embutido: andar. Essa prática, além de fazer bem para a saúde e para a cidade, permite o acesso a todos os demais meios de transporte, em qualquer tempo – de bicicletas públicas a caronas ou a carros por aplicativos – com flexibilidade tanto na ida como na volta do trabalho. Por outro lado, vemos situações no trânsito e no transporte público que estimulam a reflexão: filas de congestionamento com motoristas solitários contracenando com ônibus lotados – muitas vezes seguidos de outros vazios. Se priorizarmos veículos de alta capacidade em vias de alta densidade – ou seja, as grandes avenidas e vias de ligação entre centros urbanos – veremos que sobram vias de baixa densidade onde há trafego somente em certos horários. Dessa forma, estimular o modal mais apropriado no início do trajeto não significa que o mesmo será o mais eficiente e apropriado até o final.

Quais são as novidades para a edição de 2017?

Em 2017 teremos a “Semana da empatia”, um grande evento de abertura e um novo formato no “Desafio Multimodal”. A abertura ocorrerá no domingo, 17/09, com o ALD Experience, que tem por objetivo trazer a experimentação prática de todos os modais de transporte de forma gratuita. Para este ano, o  Desafio Multimodal terá mais de 20 pontos de partida e a linha de chegada estará na Rua Joel Carlos Borges, onde o participante encontrará  uma rua completamente gramada e preparada para ser um centro de convivência para o pedestre. Durante a semana de 18 a 22 de setembro, também promoveremos a “Semana da Empatia”, na qual empresas participantes receberão informativos para estimular seus funcionários a priorizar um determinado modal por dia, substituindo um trecho de seus trajetos por esse modal: segunda-feira será o dia de usar as pernas; terça, o transporte publico; quarta-feira, os apps, táxi e carona; quinta-feira, a bike, e sexta-feira, ocasião do Dia Mundial Sem Carro, dia para utilizar todos os modais.

O que pretendem com a iniciativa?

Pretendemos mobilizar a sociedade – empresas, governo e usuários – em torno do planejamento do transporte individual e coletivo, de modo a repensar o que e mais adequado existe em cada bairro, em cada parte do trajeto. Convidamos todos a repensar os valores transversais de modalidade – saúde, desempenho, custo e sustentabilidade.

 Por que a reflexão acerca da mobilidade urbana é importante?

A maioria da população passa hoje mais tempo no carro ou no transporte do que curtindo os filhos ou a família. Uma simples reflexão sobre o tempo – que é somente um dos fatores a serem considerados – pode estimular o usuário a mudar de empresa ou de endereço. Outra situação muito presente é ouvir usuários reclamando de que não têm tempo para realizar exercícios físicos – entretanto, parar o carro ou descer do ônibus a uma distancia de 1km da empresa resolveria o problema. A reflexão é o primeiro passo para a transformação.

Qual diagnóstico você faz sobre mobilidade em São Paulo hoje? Há formas de reverter esse quadro? Como?

Acredito que todos percebem que o cenário está cada dia pior. Temos um aumento de ciclistas, mas ainda superado pelos kms de congestionamentos, e todos somos desafiados a reduzir o número de acidentes, atropelamentos e vítimas. Alguns aplicativos nos salvaram nos últimos anos de um cenário pior, pois indicam as vias que ainda estão livres, mas isso tende a saturar. Como mudar? Acho que o primeiro passo da mudança da sociedade está no indivíduo. O governo pode e deve agir de forma planejada, pois concentra informações e poder de ação em escala. Entretanto, o cidadão e a empresa consomem e constroem toda a logística da cidade

Conscientizar os cidadãos sobre a responsabilidade e a capacidade de escolha de um determinado meio de locomoção esbarra, logicamente, em questões de infraestrutura. De que forma a ação pretende chamar a atenção de governos e instituições?

Uma boa pergunta. As empresas são os verdadeiros polos geradores de tráfego. Sem empresa, não há trabalho; sem trabalho, não há necessidade de deslocamento. Quando uma empresa se instala em determinado local, ela atrai – ou desloca – um determinado público. Somente em São Paulo são mais de 80 bairros, entretanto, nossa experiência no Caronetas indica que 80% dos funcionários estão em 20 bairros, ou seja, uma análise corporativa de transporte poderia indicar a melhor localização para a sede. Isso do ponto de vista empresarial. Já o poder público poderia estimular a criação de estacionamentos em locais próximos a terminais e estações de metrô; trabalhar alíquotas que incentivem a instalação de empresas em zonas “dormitório”, incentivar empresas a investir em segurança e em calçadas no seu entorno, entre outras ações. Já a empresa muitas vezes não considera que o custo total de transporte – fretados, peruas, vale-transporte, vagas, carros corporativos e táxis – consome frequentemente muito mais que 6% do faturamento. Notamos que normalmente não há um “gerente de transportes” que cuide desse custo. Aplicativos como o WiiMove podem ajudar a gerenciar esse custo, mas é preciso ressaltar o montante de dinheiro desperdiçado em vagas não utilizadas, fretados mal ocupados e táxis não compartilhados, entre outros.

Uma das principais atividades da Virada da Modalidade será o Desafio Multimodal. Em que consiste? Quais insights pretendem transmitir à população por meio dessa ação?

O Desafio Multimodal não é uma competição, é um experimento de mobilidade. Convidamos os usuários de diversas empresas a experimentarem ir ao trabalho utilizando pelo menos três modais diferentes, definidos pela nossa equipe. Os resultados são muito interessantes, e a experiência dos últimos anos atesta uma informação bem simples e quase óbvia: cada origem e cada destino são únicos. O que isso quer dizer? Que o táxi que está disponível nos Jardins não está tão acessível em Poá, onde aplicativos é que resolvem a maioria das chamadas; que perder o embarque em um ônibus em certos locais pode gerar um impacto de tempo de 1 hora, enquanto que em outros temos abundância de linhas; que achar uma estação de bike ou andar a pé pode ser mais rápido do que pegar o ônibus ou o carro em determinados horários – enfim, as pessoas passam a analisar outras alternativas que desconheciam ou desconsideravam. A carona, por exemplo, pode ser considerada um ônibus hipercompacto, confortável, eficiente e bem ocupado quanto atinge cinco passageiros, e, para um cadeirante, pode ser a melhor opção.

O que o público pode esperar de toda a experiência proporcionada pelos diversos eventos que acontecerão  na Virada da Mobilidade, entre 17 e 23 de setembro?

Cada evento terá uma abordagem especifica: Teletrabalho, Mobilidade corporativa, Inovação, Experimentação, Empatia. Todos são convites à reflexão e à mobilização individual ou empresarial.

Uma mensagem ao público.

Estar simplesmente parado no trânsito significa fazer parte dele. Participem, reflitam e sejam agentes de transformação.

 Fique por dentro!

Clique aqui e confira a programação completa da Virada da Mobilidade 2017

SEMANA DA VIRADA DA MOBILIDADE 2017

A edição deste ano acontece de 17 a 23 de setembro, com uma programação voltada à conscientização da população em relação à mobilidade urbana e qualidade de vida na Cidade de São Paulo

Com o objetivo de sensibilizar a população paulistana em relação à mobilidade em grandes concentrações urbanas e a correspondente oferta de modais de transporte, a 5ª edição da Virada da Mobilidade marca novamente presença no calendário de eventos da capital, no período de 17 a 23 de setembro.

Logo na abertura, no dia 17, o público é convidado a desfrutar do ALD EXPERIENCE: Mobilidade e Empatia, evento promovido pela ALD Automotive – multinacional do setor de terceirização e gestão de frotas – que trará opções de entretenimento para toda a família, dentre as quais: escola de bike; parede de escalada; pista para experimentar diferentes modais como bicicleta, convencional e elétrica, skate elétrico, patinete; autorama; oficina para confecção de modais de transporte com material de sucata; realidade virtual; apresentação de novas tendências e tecnologias; além de show musical e praça de alimentação com food bikes.

De segunda a quinta-feira, intervenções nos transportes públicos, worshops e debates com especialistas darão a tônica da Virada, inserindo a população em temas como mobilidade corporativa, empatia na cidade, tecnologia e inovação multomodal. No time de convidados, nomes como: Alexandre Valadão (ALD), Daniela Swiatek (MobiLab), Flavia Resende (Ethos), Fernando Matias (Easytaxi), Janaina de Mendonça Fernandes (FGV), Luiza Andrada e Silva  (IVM), Luciano Driemeier (Ford América do Sul)  e Homero Neves da Silva (Urbem), entre outros.

Na sexta-feira, dia 22 de setembro,  Dia Mundial Sem Carro, a Virada inicia suas atividades com o Desafio Multimodal – um experimento de multimodalidade que conta com a participação de cidadãos em sua rotina de trabalho, partindo de diversos pontos da cidade em direção à Rua Joel Carlos Borges (Brooklin), utilizando pelo menos 3 modais diferentes. Na chegada, o participante encontrará uma rua coberta por um tapete de 700 m2 de grama artificial, espaço onde ocorrerão diversas atividades, transformando essa rua num grande parklet (áreas contíguas às calçadas para lazer e convívio, no lugar da  vaga para carros), com opções de saúde, entretenimento e lazer, tais como: quick massage, avaliações nutricionais, pocket shows, bike foods e test drive de bikes elétricas.

“A escolha do meio de transporte deve considerar custo, conforto, disponibilidade e tempo de percurso. Portanto, usar meios de transporte de alta capacidade em vias de alta densidade é essencial para se evitar congestionamentos, enquanto usar veículos de transporte de baixa capacidade – como bicicletas, vans, peruas, automóveis e táxis – em vias de baixa densidade, ajuda a reduzir os custos de transporte público. Tanto biarticulados vazios como carros com apenas um ocupante representam custos para o cidadão e para a cidade; já a troca de modais durante o percurso é um meio inteligente de evitar congestionamentos e gastos aos cofres públicos e à população. A empatia, o planejamento e a multimodalidade fazem com que a cidade seja projetada para uma oferta abrangente de modais, contribuindo para que todos, condutores e pedestres, tenham uma convivência respeitosa.” pontua  Marcio Nigro, idealizador e organizador da Virada da Mobilidade.

A 5º edição da Virada da Mobilidade conta com patrocínio de ALD Automotive, Ford, SLC Textil, Ticket Log, Easy Táxi, Pano Social, Fundação Friedrich Naumann para a Liberdade; apoio do Instituto Cidade em Movimento, Instituto Ethos, Instituto Saúde e Sustentabilidade, E-moving, Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades e Fundação Assefaz. Realização: Caronetas, TcUrbes e URB-i.

Workshop: “Alternativas Tecnológicas Sustentáveis Para Uma Matriz Diversificada De Transporte Coletivo Mais Limpo”

Data: 20 de setembro de 2016 (terça-feira)

Horário: 09h às 18h30

Local: Auditório A3 do Instituto de Geociência (IGC)

Endereço: Rua do Lago, 562 – Cidade Universitária

O Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo e o Research Centre for Gas Innovation promovem uma mesa de discussão com representantes do meio acadêmico, indústria e setor dos transportes, com o objetivo de difundir conceitos e mecanismos que possam contribuir para dar consistência ao programa de substituição de frota do Município de São Paulo.

Tem ainda o objetivo de discutir futuros programas de substituição de ônibus urbanos convencionais a diesel por alternativas mais limpas. Ao fim workshop, os mediadores farão um sumário das principais ideias debatidas com vistas à elaboração de um “white paper” reunindo as bases da matriz diversificada de tecnologias alternativas mais limpas para uma renovação gradual do transporte público no país. Esse documento será entregue às autoridades competentes, políticos e aos candidatos à prefeitura municipal nas eleições de 2016.

Estão entre os convidados a Secretaria de Transportes do Município de São Paulo; SPTrans; o Secretário do Verde e do Meio Ambiente; Ministério Público do Estado de São Paulo; ANTP ; SPUrbanuss; World Resources Institute; Instituto Saúde e Sustentabilidade; Greenpeace e outras entidades ambientalistas.

Programação

09:00 – Abertura – Prof. Edmilson Moutinho dos Santos / Vereador Gilberto Natalini

09:30 – Fortalecimento do marco regulatório dos programas de substituição de frotas de ônibus urbanos por alternativas mais limpas – Calculadora de emissões reduzidas na substituição de frotas por alternativas mais limpas – Olimpio Alvares – L’Avis Eco-Service/ANTP

10:00 – O Centro de Pesquisa Inovação e Difusão do Gás (RCGI): projetos na área de transporte e sustentabilidade desenvolvidos por pesquisadores da Universidade de São Paulo – Profa. Dominique Mouette, Dr. Rodrigo Galbieri, MsC. Thiago Brito

10:30 – 11:00 – Coffee break

11:00 – Chegou a hora dos ônibus elétricos em São Paulo – BYD – Adalberto Maluf

11:30 – Benefícios ambientais e climáticos e viabilidade técnica e econômica da adoção de trólebus e outras tecnologias de tração elétrica sobre pneus – Eletra e ABVE – Ieda Maria Oliveira

12:00 – Tecnologia de Zero Emissão de Fumaça em Ônibus Urbanos em Uso – Retrofit – Hug Engineering – ElringKlinger – Alain Muzart

12:30 – Mesa redonda com perguntas de moderadores

13:00 – 14:00 – Brunch Executivo

14:00 – Soluções Energéticas e Ambientais para o Transporte Público – Comgas – Sr. Ricardo Vallejo

14:30 – Potencial do biometano no Brasil e seu uso em ônibus urbanos – Abiogas – Karina Lassner

15:00 – Biodiesel no Brasil: histórico, aspectos socioambientais, capacidade produtiva e viabilidade técnica/econômica no transporte coletivo” – APROBIO – Julio Cesar Minelli

15:30 – 16:00 – Coffee break

16:00 – Alternativas Scania para Mobilidade Urbana Sustentável – Scania – Sergio Munhoz

16:30 – Eletromobilidade Inteligente – Volvo do Brasil – Ayrton Amaral

17:00 – Mesa redonda com perguntas de moderadores

17:30 – 18:30 – Cocktail de encerramento e conclusões – Dr. Silvio de Andrade Figueiredo

 

Inscreva-se1

Mobifilm na Virada

Idealizado pelos produtores Eduardo Abramovay e Leonardo Khedi para estimular um debate sobre a questão da violência no trânsito no país, o Festival Brasileiro de Filmes Sobre Mobilidade e Segurança Viária teve sua primeira edição em agosto e vem em um momento muito importante.

Segundo o DPVAT (seguro obrigatório responsável pela indenização das vítimas), no último ano 37 mil pessoas morreram em acidentes de trânsito no Brasil. Outras 495 mil sofreram algum tipo de invalidez permanente, quando há perda irreversível de funcionalidade de membros do corpo.

Dados da Organização Mundial da Saúde mostram que o acidente de trânsito é a maior causa de mortalidade por fatores externos no mundo, superando guerras ou suicídios. A OMS estima que eles causem a morte de 1,2 milhão de pessoas todo o ano. A previsão do órgão é que o número chegue a 2 milhões/ano até 2020. Por isso, a ONU decretou, em 2010, que o período entre 2011 e 2020 seria a “Década de ações para a segurança no trânsito”

As discussões sobre melhoria dos serviços de transportes e aumento da segurança viária são essenciais não apenas para os deslocamentos, mas acima de tudo para melhoria de qualidade de vida.

O Mobifilm –  fará parte da nossa Virada em sessão especial para nosso encerramento no dia 23.09 (sexta-feira). Saiba quais serão os filmes e venha discutir o futuro da mobilidade urbana!

MOBIFILM_VERSAO_FINAL.png

Inscreva-se

Programação 2016

Confira aqui a programação diária da Virada da Mobilidade 2016.

Para se inscrever, acesse o link da atividade de interesse.

17/Setembro, sábado:

  • Desafio Multimodal: duplas previamente selecionadas saem de 4 parques de São Paulo e precisam chegar ao Conjunto Nacional, obrigatoriamente fazendo uso de 3 modais diferentes de transporte.

19/Setembro, segunda-feira:

  • Repensando a Mobilidade Urbana: evento que abre a série de encontros da Virada 2016 e nos convida a refletir sobre as oportunidades de meios de transporte existentes e como melhor utilizá-los. Durante o evento, também será lançado o Guia de Mobilidade Corporativa, elaborado pela EY em parceria com o Mobilize.

20/Setembro, terça-feira:

  • Tecnologias a favor da mobilidade: venha conhecer as tendências, os desafios e oportunidades do transporte privado, as perspectivas e facilidades do transporte público, além de se informar sobre transporte ativo.

21/Setembro, quarta-feira:

  • Soluções de mobilidade mais inteligentes: saiba mais sobre a Gestão de Demanda de Viagens (GDV), mobilidade ativa nas empresas e suas oportunidades, e propostas de parcerias Público-Privadas em favor da mobilidade.

22/Setembro, quinta-feira

  • TeleCoffice na Virada: conheça ideias e conceitos que difundem a adoção da modalidade do TeleTraballho pelas corporações públicas e privadas. Durante o evento a SOBRATT fará o lançamento paulista da Cartilha do Teletrabalho.
  • Intervenção na Rua Joel Carlos Borges: ocupe o espaço público com a gente! Participe de aulas de zumba, meditação ao ar livre, ilha de tecnologia para baixar apps de Mobilidade, campo de provas de bike elétrica, food trucks, entre outras atividades. A Ford fará ainda a primeira apresentação pública do Fusion Híbrido.
    • Horário: 8h00 – 19h00
    • Inscrições: evento aberto

23/Setembro, sexta-feira:

TeleCoffice na Virada 2016

O TeleCoffice é um evento mensal realizado pela Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades – Sobratt idealizado com o intuito de difundir ideias e conceitos para o apoio à adoção da modalidade do TeleTraballho pelas corporações públicas e privadas.

O Teletrabalho (Telecommuting em inglês) evita os deslocamentos motorizados pendulares (casa-trabalho-casa) desnecessários e assim, contribui de modo decisivo para a redução dos congestionamentos, do consumo de combustível, da emissão de poluentes tóxicos e globais (efeito estufa), aumenta a produtividade e melhora a saúde e a qualidade de vida dos trabalhadores.

Este ano, o TeleCoffice é parte integrante da programação oficial da Semana da Virada da Mobilidade. Confira a programação:

Data: quinta feira, 22 de setembro de 2016
Hora: 8:30 – 12:40h
Local: Auditório da EY (Ernst & Young) Brasil

8:30h – 9:00h – Recepção e registro dos participantes, café da manhã, networking

9:00h – 9.30h – TeleCommuting (TeleTransporte) – O Teletrabalho como um estratégico modo de transporte e sua contribuição com a melhoria da mobilidade urbana e do meio ambiente – Olimpio Alvares – Diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Sobratt

9:30h – 10:00h – O TeleTrabalho e a inclusão profissional de trabalhadores com deficiência (PCDs) e dificuldade de locomoção; Vera Boscatte – Diretora da Sobratt

10:00h -10:20h – Seção de perguntas

10:20h – 10:40h – Coffee break

10:40h – 11:10h – Resultados da pesquisa SAP sobre o estágio atual do TT no Brasil – Apresentação será feita por representante da SAP

11:10h – 11:40h – A experiência de implantação do Teletrabalho em uma grande corporação privada – debelando as resistências – resultados em termos de produtividade e melhoria da qualidade de vida dos colaboradores

11:40 – 12:10h – A experiência de implantação do Teletrabalho em uma grande corporação pública – debelando as resistências

12:10h – 12:30h – Seção de perguntas

12:30h – Lançamento Paulista da Cartilha do Teletrabalho (pronunciamento do Presidente da Sobratt)

12:40h – Encerramento

inscreva-se2