Corra – literalmente – para o trabalho!

Você já se imaginou correndo — literalmente — para o trabalho, academia ou qualquer destino? É o que promove a iniciativa da gestora ambiental Silvia Cruz, a CorridaAmiga. Um dos parceiros da Virada da Mobilidade 2015, ela vai apresentar, no Armazém Cultural, uma nova forma de se locomover em São Paulo hoje, dia 21/09, às 18h.

Silvia, que usava a corrida para se exercitar desde 2010, descobriu que é possível fazer da atividade um meio de transporte quando foi estudar no exterior. Na França e na Finlândia, ela descobriu que seus colegas usavam a corrida para ir e voltar do trabalho e incorporou a iniciativa no seu dia a dia.

Aqui as pessoas correm meia maratona no parque, mas acham coisa de louco ir correndo pro trabalho!”, comenta. “Depois que voltei para o Brasil, pensei: se as pessoas usam isso lá fora, por que não disseminar essa prática aqui?”.

Foi assim que começou a CorridaAmiga. Inspirada no modelo do Bike Anjo, a iniciativa ajuda e orienta as pessoas que querem ir correndo ao trabalho com o mesmo modelo de voluntários. O iniciante faz seu primeiro trajeto auxiliado por alguém da CorridaAmiga, geralmente em um fim de semana, afim de descobrir as melhores rotas para chegar ao seu destino. “Os voluntários vão ensinar como usar a mochila na corrida, a logística da roupa, entre outros macetes importantes”.

Além do trajeto acompanhado, Silvia sugere que os adeptos da corrida como meio de transporte leiam o Manual de Deslocamento Ativo para obter mais dicas sobre esse modal. “Uma sugestão, por exemplo, para as pessoas que não têm vestiário no local de trabalho, é que cheguem uns 40, 30 minutos antes para dar tempo de resfriar o corpo e não ficar suando”. O Manual também dá instruções sobre o que fazer em dias mais secos e quentes, a respeitar a sinalização, ter atenção às calçadas, etc. “Gosto de dizer que correr na cidade é o mesmo que fazer uma corrida de aventuras”, conclui.

Com cada vez mais adeptos, a CorridaAmiga já está presente em 15 cidades do Brasil, possui mais de 100 voluntários e 100 corredores, que correm, em média, de 5 a 10 km por dia. “Se a pessoa trabalha muito longe, ela pode misturar os modais: ir de transporte público até uma parte do caminho, e terminá-lo correndo”, ensina.

Essas e outras dicas, informações e um pouco mais da história da CorridaAmiga você assiste hoje, segunda-feira, às 18h no Armazém Cultural. Lá, Silvia vai contar sobre a sua experiência e irá nos ajudar a refletir como mudar os paradigmas de locomoção de São Paulo, aprimorando, otimizando e repensando a mobilidade urbana da cidade.

Roda de Conversa I: Corrida Amiga
18h
Armazém Cultural – Rua dos Cariris, 48, Pinheiros