Virada da Mobilidade 2017

logo viradaA edição deste ano acontece de 17 a 23 de setembro, com uma programação voltada à conscientização da população em relação à mobilidade urbana e qualidade de vida na Cidade de São Paulo

Com o objetivo de sensibilizar a população paulistana em relação à mobilidade em grandes concentrações urbanas e a correspondente oferta de modais de transporte, a 5ª edição da Virada da Mobilidade marca novamente presença no calendário de eventos da capital, no período de 17 a 23 de setembro.

Logo na abertura, no dia 17, o público é convidado a desfrutar do ALD EXPERIENCE: Mobilidade e Empatia, evento promovido pela ALD Automotive – multinacional do setor de terceirização e gestão de frotas – que trará opções de entretenimento para toda a família, dentre as quais: escola de bike; parede de escalada; pista para experimentar diferentes modais como bicicleta, convencional e elétrica, skate elétrico, patinete; autorama; oficina para confecção de modais de transporte com material de sucata; realidade virtual; apresentação de novas tendências e tecnologias; além de show musical e praça de alimentação com food bikes.

De segunda a quinta-feira, intervenções nos transportes públicos, Workshop e debates com especialistas darão a tônica da Virada, inserindo a população em temas como mobilidade corporativa, empatia na cidade, tecnologia e inovação multomodal. No time de convidados, nomes como: Daniela Swiatek (MobiLab), Flavia Resende (Ethos), Fernando Matias (Easytaxi), Janaina de Mendonça Fernandes (FGV), Luciano Driemeier (Ford América do Sul), Luiza Andrada e Silva  (IVM),  Roberta Ferreira (ALD) e Homero Neves da Silva (Urbem), entre outros.

Na sexta-feira, dia 22 de setembro,  Dia Mundial Sem Carro, a Virada inicia suas atividades com o Desafio Multimodal – um experimento de multimodalidade que conta com a participação de cidadãos em sua rotina de trabalho, partindo de diversos pontos da cidade em direção à Rua Joel Carlos Borges (Brooklin), utilizando pelo menos 3 modais diferentes. Na chegada, o participante encontrará uma rua coberta por um tapete de 700 m² de grama artificial, espaço onde ocorrerão diversas atividades, transformando essa rua num grande parklet (áreas contíguas às calçadas para lazer e convívio, no lugar da  vaga para carros), com opções de saúde, entretenimento e lazer, tais como: quick massage, avaliações nutricionais, pocket shows, bike foods e test drive de bikes elétricas.

“A escolha do meio de transporte deve considerar custo, conforto, disponibilidade e tempo de percurso. Portanto, usar meios de transporte de alta capacidade em vias de alta densidade é essencial para se evitar congestionamentos, enquanto usar veículos de transporte de baixa capacidade – como bicicletas, vans, peruas, automóveis e táxis – em vias de baixa densidade, ajuda a reduzir os custos de transporte público. Tanto biarticulados vazios como carros com apenas um ocupante representam custos para o cidadão e para a cidade; já a troca de modais durante o percurso é um meio inteligente de evitar congestionamentos e gastos aos cofres públicos e à população. A empatia, o planejamento e a multimodalidade fazem com que a cidade seja projetada para uma oferta abrangente de modais, contribuindo para que todos, condutores e pedestres, tenham uma convivência respeitosa.” pontua  Marcio Nigro, idealizador e organizador da Virada da Mobilidade.

A 5º edição da Virada da Mobilidade conta com patrocínio de ALD Automotive, Ford, SLC Textil, Ticket Log, Easy Táxi, Pano Social, Fundação Friedrich Naumann para a Liberdade; apoio do Instituto Cidade em Movimento, Instituto Ethos, Instituto Saúde e Sustentabilidade, E-moving, Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades e Fundação Assefaz. Realização: Caronetas, TcUrbes e URB-i.

ALD Automotive na Virada da Mobilidade 2017

capa

O ALD Experience, evento que marca a abertura da Virada da Mobilidade no domingo dia 17, na Casa das Caldeiras em São Paulo, tem programação para adultos e crianças, inserindo o público na experimentação de diferentes modais de transporte, tecnologias e inovações relativas à mobilidade

O evento  ALD Experience: mobilidade e empatia abrirá a programação da Virada da Mobilidade 2017, realizada de 17 a 23 de setembro, em São Paulo. Organizado pela ALD Automotive – multinacional do setor de terceirização e gestão de frotas –, o evento que será realizado no domingo, dia 17, das 10 às 17 horas, na Casa da Caldeiras, terá atrações para toda a família, dentre as quais: escola de bike; parede de escalada; pista para experimentar diferentes modais como bicicleta, convencional e elétrica, skate elétrico, patinete, autorama; oficina para confecção de modais de transporte com material de sucata; realidade virtual; além de praça de alimentação com food bikes.

As novas tendências e tecnologias na área da mobilidade também terão lugar no evento, como veículos semi-autônomos e aplicativos destinados aos serviços de car-sharing, bike-sharing  e para mobilidade corporativa (abrangendo diferentes modais de transporte), que serão apresentados aos visitantes.

A participação da ALD Automotive na Virada da Mobilidade 2017 tem por objetivo oferecer aos visitantes experiências que possam sensibilizá-los sobre as questões de mobilidade e empatia no trânsito.

Serviço:

ALD Experience: mobilidade e empatia – Virada da Mobilidade

Dia 17 de setembro – 10 às 17 horas

Casa das Caldeiras – Av. Francisco Matarazzo, 2000 – Água Branca

Entrada gratuita

Inscrições: http://www.doinlive.com/aldexperience

____________________

ALD Automotive

Subsidiária do Grupo Société Génerale – um dos grupos financeiros mais importantes na Europa, presente em 77 países, com mais de 160.000 colaboradores, com sede em Paris –  a ALD Automotive é referência em terceirização e gestão de frotas de veículos, com presença em 41 países, oferecendo 1,2 milhões de automóveis corporativos para mais de 100.000 clientes. No Brasil desde 2005, atende 400 clientes em diferentes segmentos da indústria, do comércio e serviços, em todo o país, oferecendo soluções adequadas à cada realidade.

Workshop: “Alternativas Tecnológicas Sustentáveis Para Uma Matriz Diversificada De Transporte Coletivo Mais Limpo”

Data: 20 de setembro de 2016 (terça-feira)

Horário: 09h às 18h30

Local: Auditório A3 do Instituto de Geociência (IGC)

Endereço: Rua do Lago, 562 – Cidade Universitária

O Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo e o Research Centre for Gas Innovation promovem uma mesa de discussão com representantes do meio acadêmico, indústria e setor dos transportes, com o objetivo de difundir conceitos e mecanismos que possam contribuir para dar consistência ao programa de substituição de frota do Município de São Paulo.

Tem ainda o objetivo de discutir futuros programas de substituição de ônibus urbanos convencionais a diesel por alternativas mais limpas. Ao fim workshop, os mediadores farão um sumário das principais ideias debatidas com vistas à elaboração de um “white paper” reunindo as bases da matriz diversificada de tecnologias alternativas mais limpas para uma renovação gradual do transporte público no país. Esse documento será entregue às autoridades competentes, políticos e aos candidatos à prefeitura municipal nas eleições de 2016.

Estão entre os convidados a Secretaria de Transportes do Município de São Paulo; SPTrans; o Secretário do Verde e do Meio Ambiente; Ministério Público do Estado de São Paulo; ANTP ; SPUrbanuss; World Resources Institute; Instituto Saúde e Sustentabilidade; Greenpeace e outras entidades ambientalistas.

Programação

09:00 – Abertura – Prof. Edmilson Moutinho dos Santos / Vereador Gilberto Natalini

09:30 – Fortalecimento do marco regulatório dos programas de substituição de frotas de ônibus urbanos por alternativas mais limpas – Calculadora de emissões reduzidas na substituição de frotas por alternativas mais limpas – Olimpio Alvares – L’Avis Eco-Service/ANTP

10:00 – O Centro de Pesquisa Inovação e Difusão do Gás (RCGI): projetos na área de transporte e sustentabilidade desenvolvidos por pesquisadores da Universidade de São Paulo – Profa. Dominique Mouette, Dr. Rodrigo Galbieri, MsC. Thiago Brito

10:30 – 11:00 – Coffee break

11:00 – Chegou a hora dos ônibus elétricos em São Paulo – BYD – Adalberto Maluf

11:30 – Benefícios ambientais e climáticos e viabilidade técnica e econômica da adoção de trólebus e outras tecnologias de tração elétrica sobre pneus – Eletra e ABVE – Ieda Maria Oliveira

12:00 – Tecnologia de Zero Emissão de Fumaça em Ônibus Urbanos em Uso – Retrofit – Hug Engineering – ElringKlinger – Alain Muzart

12:30 – Mesa redonda com perguntas de moderadores

13:00 – 14:00 – Brunch Executivo

14:00 – Soluções Energéticas e Ambientais para o Transporte Público – Comgas – Sr. Ricardo Vallejo

14:30 – Potencial do biometano no Brasil e seu uso em ônibus urbanos – Abiogas – Karina Lassner

15:00 – Biodiesel no Brasil: histórico, aspectos socioambientais, capacidade produtiva e viabilidade técnica/econômica no transporte coletivo” – APROBIO – Julio Cesar Minelli

15:30 – 16:00 – Coffee break

16:00 – Alternativas Scania para Mobilidade Urbana Sustentável – Scania – Sergio Munhoz

16:30 – Eletromobilidade Inteligente – Volvo do Brasil – Ayrton Amaral

17:00 – Mesa redonda com perguntas de moderadores

17:30 – 18:30 – Cocktail de encerramento e conclusões – Dr. Silvio de Andrade Figueiredo

 

Inscreva-se1

Mobifilm na Virada

Idealizado pelos produtores Eduardo Abramovay e Leonardo Khedi para estimular um debate sobre a questão da violência no trânsito no país, o Festival Brasileiro de Filmes Sobre Mobilidade e Segurança Viária teve sua primeira edição em agosto e vem em um momento muito importante.

Segundo o DPVAT (seguro obrigatório responsável pela indenização das vítimas), no último ano 37 mil pessoas morreram em acidentes de trânsito no Brasil. Outras 495 mil sofreram algum tipo de invalidez permanente, quando há perda irreversível de funcionalidade de membros do corpo.

Dados da Organização Mundial da Saúde mostram que o acidente de trânsito é a maior causa de mortalidade por fatores externos no mundo, superando guerras ou suicídios. A OMS estima que eles causem a morte de 1,2 milhão de pessoas todo o ano. A previsão do órgão é que o número chegue a 2 milhões/ano até 2020. Por isso, a ONU decretou, em 2010, que o período entre 2011 e 2020 seria a “Década de ações para a segurança no trânsito”

As discussões sobre melhoria dos serviços de transportes e aumento da segurança viária são essenciais não apenas para os deslocamentos, mas acima de tudo para melhoria de qualidade de vida.

O Mobifilm –  fará parte da nossa Virada em sessão especial para nosso encerramento no dia 23.09 (sexta-feira). Saiba quais serão os filmes e venha discutir o futuro da mobilidade urbana!

MOBIFILM_VERSAO_FINAL.png

Inscreva-se

Como pedalar com segurança na cidade? Lições de uma Virada com a Bicicletada Iluminada e a Co.Bike

Ontem foi o dia das bikes na Virada da Mobilidade. Com o Sol se pondo no Largo da Batata, muitos ciclistas chegavam para instalar luzes de LED nos pneus das suas magrelas e participar da 2ª Bicicletada Iluminada, uma pedalada que atenta para os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, da ONU, chamando atenção para a questão da segurança dos que pedalam a noite.

IMG_3382

Organizados pela Action 2015, Abong e pela Muda de Ideia, os shows de Luana Hansen, do bloco Ilú Obá de Min, uma oficina de bike express e outras atrações agitavam a praça. Por volta das 19h, já escuro, o grupo de ciclistas começou a se organizar para sair iluminando a Pedroso de Morais e a Avenida Faria Lima. À medida em que escurecia, as luzes coloridas, instaladas nos pneus, ficavam cada vez mais fortes, produzindo um cenário quase psicodélico, inspirando os transeuntes e quem participava da atividade.

 bicicletadailuminada-3

Um pouco depois da Bicicletada, a Co.Bike anfitriou uma discussão sobre a inserção e o estímulo do uso da bicicleta em empresas e organizações, na Vila Madalena. Dividiram os presentes em cinco grupos e, em modelo de World Cafe, discutiram os desafios, soluções e motivações para inserir a bike no cotidiano.

Os desafios que mais apareceram foram a violência no trânsito, as intempéries, a conscientização de todos os agentes que estão nas vias e, nessa linha de pensamento, problematizaram a urgência de aprimorar a educação e mudar cultura da cidade com relação a esse modal. “Tem gente que ainda vê o pedestre ou o ciclista como um obstáculo, algo que incomoda os outros no trânsito”, comentou um dos grupos.

IMG_3388

Depois de discutirem os desafios, falaram sobre as soluções que podem estimular a melhor convivência dos modais nas vias e incentivar o uso da bike como, por exemplo, isenção fiscal para o ciclista e também para as empresas privadas. Foi dito que, se as organizações perceberem que podem economizar com o seu funcionário caso ele vá de bike ao trabalho, elas irão criar mais infraestrutura para isso se tornar real, do tipo instalar um bicicletário, chuveiros, reparos grátis, entre outras possibilidades.

Por fim, os grupos discutiram quais motivações fariam com que os funcionários de uma empresa adotassem a bicicleta como meio de transporte. Em consenso, todos citaram que as maiores motivações são, em geral, a melhor qualidade de vida, que é uma consequência da saúde que se adquire pedalando, da sensação de autonomia e, para muitos, da economia de tempo que esse modal gera.

IMG_3385

Esse tipo de estímulo, entretanto, deve ser estudado e analisado, segundos os presentes. Claro que as empresas devem sim estimular o uso da bike entre seus colaboradores e funcionários mas, antes de tudo, é interessante traçar um perfil dos que ali trabalham para saber quais as demandas e qual o melhor jeito de implementar um programa como esse, concluíram.

Imaginando uma cidade mais democrática e sustentável. Por que não?

A corrida como meio de transporte, transformar o Tietê em parque, ocupar espaços públicos com música e ruas verdes. Já Imaginou?

As rodas de conversas no Armazém Cultural, durante a Virada da Mobilidade, trouxeram à tona vários assuntos diferentes, mas de igual importância para pensarmos cidades mais inteligentes e com uma melhor qualidade de vida.

Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem”

Na segunda-feira, Silvia Cruz abriu a programação contando sobre o seu projeto da CorridaAmiga. A iniciativa, como o Bike Anjo, disponibiliza voluntários para instruírem pessoas que desejam usar a corrida como meio de transporte no dia a dia, mas ainda não sabem como. Silvia contou que descobriu esse modal quando fazia um estágio de doutorado na França e, depois, na Finlândia. “Lá eu descobri que as pessoas corriam pra se locomover. Achei a ideia o máximo porque você não perde tempo se locomovendo, uma vez que transforma o seu transporte em uma atividade física. Quando a gente quer realmente fazer, traspassamos todas barreiras que encontramos no caminho.”. Lá, no Armazém, deu as mesmas dicas que fornece aos corredores iniciantes, como a adaptação da mochila, o sinalizador para corridas noturnas, o que levar consigo entre outras. E contou uma história inspiradora de quando atravessou 200 quilômetros da Dinamarca, correndo, em apenas 4 dias. “Essas experiências me fizeram entender o que é a utopia. Acredito que ela seja nosso alvo direcional, a estrada para aquilo que a gente acredita”. E terminou com uma citação que a inspira, de Rosa Luxemburgo, que diz: “quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem”.

image (1)

Silvia Cruz, da CorridaAmiga, explicou como utilizar a corrida como meio de transporte

Permacultura e música urbanas

Em seguida, na segunda roda de conversa do dia, Henny Freitas contou sobre a sua experiência com permacultura, conscientizando os presentes de que, se consumíssemos alimentos que nós mesmos produzíssemos e plantássemos, evitaríamos um transporte cujo preço é caro — não só em termos monetários, mas para o ambiente, porque exige a criação de estradas, importação coisas, o que gera uma mobilidade insustentável. Jornalista e permacultora, Henny compartilhou conosco suas experiências de viagens e passou uma mensagem de conscientização de otimizando a nossa mobilidade conseguimos evitar os desperdícios gerados pela indústria.

Tchello & Henny (1)

Tchello e Henny falam sobre como atitudes individuais impactam o coletivo

Dividindo essa mesa, chamada “atitudes individuais com impactos no coletivo”, estava Tchello, um fotógrafo andarilho que virou quase um arquétipo urbano, sendo conhecido em muitos lugares de São Paulo por caminhar com sua caixa de som ambulante, chamada Xana. Contou sua história e mostrou como sua simples ação de caminhar tocando música, algo aparentemente fugaz, gera reações interessantes e, o mais importante, uma ocupação significativa dos espaços públicos. “O legal de levar um “lounge portátil” é que eu ja fui adotado por uma série de pessoas que gostam de usar o som na rua — coletivos, indivíduos, crianças. E isso me fez aportar em lugares super legais como, por exemplo, o Parque Augusta”. Contou que a sua iniciativa já até gerou um movimento de sucesso chamado o Buraco da Minhoca, que acontecia no túnel que liga a Praça Roosevelt ao Minhocão, acesso que fica fechado pela noite.

 Ruas verdes, cidades colaborativas e um parque no Rio Tietê

Na quarta-feira contamos com três rodas de conversa. A primeira, de Augusto Anaes, era sobre seu projeto Rede Verde SP. Arquiteto e urbanista, Augusto desenvolveu a ideia de interligar parques e praças da cidade com ruas verdes, todas, arborizadas. Essa ação seria feita em vias locais, no canteiro central delas, com um sistema inteligente de captação de águas de chuva e espaço o suficiente para estimular um local de convivência e a implementação de ciclovias. Sua pesquisa, muito bem elaborada, leva em consideração o sistema de transporte e ônibus e metrô, a topografia dos bairros, e levanta muitos dados e critérios em consideração para escolher quais seriam as ruas verdes. Tendo como base um mapa de ruas contíguas, ele mostrou várias opções de trajetos para realização dessas conexões, ressaltando que o ideal seria contar com a ajuda do poder público e participação massiva da sociedade para escolher quais são as ruas nas quais deveria ser aplicado esse modelo. “É quase uma colcha de retalhos. Estou propondo um sistema para articular parques e praças, formando uma rede única de áreas verdes para a cidade, estimulando a ocupação dos espaços, a qualidade do ar e, consequentemente, de vida”.

_DSC4294_smaller

Augusto Anaes expôs seu projeto Rede Verde SP, que procura interligar parques e praças com ruas arborizadas na cidade

Adriano Ortolani, o segundo palestrante da noite, apresentou o projeto Cidades Colaborativas, um guia que procura reunir uma centena de iniciativas que trabalham com consumo colaborativo no Brasil. Sua pesquisa mostra que, daqui 10 anos, esse tipo de economia irá arrecadar R$ 350 milhões, mas que esse mercado é ainda muito incipiente no Brasil. Segundo Ortolani, a grande estratégia do compartilhamento está na questão da mobilidade, porque é a área que mais sugere alternativas colaborativas hoje. A partir do guia eles desenvolveram uma plataforma para reunir essas iniciativas online, onde todo mundo pode sugerir a inclusão de seus projetos, se estes atenderem seus preceitos básicos.

A última roda de conversa do Armazém Cultural foi ministrada pelo antigo secretário de Cidadania do Ministério da Cultura, Célio Turino. Historiador, escritor e gestor de políticas públicos, Célio ressaltou a importância de ressignificarmos os espaços públicos da cidade. Contou como São Paulo era nos anos 30 e 40, lembrando que a várzea do Tietê era um parque enorme o qual todos poderiam usufruir. Citou vários outros locais da cidade que foram destruídos por causa da falta de planejamento urbano, atentando para a importância de voltarmos a ocupar esses lugares como, por exemplo, o Parque Dom Pedro. “Hoje esses lugares poderiam ser readaptados, reincorporadas como parques. As vezes pode parecer fantasioso, porque é difícil imaginar como recuperar a várzea de um rio poluído como esse. Mas seria incrível e democrático, uma vez que esse rio atravessa a cidade. Não seria um parque só localizado em uma região. Não é impensável. Seul também tinha empestiado seus rios e os revitalizou. O Tâmisa também era poluído, como o Tietê. Aqui também poderia acontecer”.

_DSC4331_smaller

Célio Turino falou sou a importância de ressignificarmos e ocuparmos os espaços públicos

Já imaginou?

A quarta-feira fechou um ciclo de debates sumariamente importantes para pensar a mobilidade em São Paulo. Foram instrutivos, inspiradores e ajudaram e repensar a cidade, dando força de vontade para os presentes de ressignificar os espaços, melhorar a qualidade de vida e tentar levar essa experiência para fazer algo duradouro à sociedade.

Fotos: Priscila Pacheco/WRI Brasil

Desengarrafando o seu dia a dia

Ontem, na Virada da Mobilidade, o jornalista e escritor de Como Viver em São Paulo sem Carro, Leão Serva, o editor da Época Sociedade, Marcelo Moura, e o fundador do Caronetas, Marcio Nigro, conduziram a roda de conversa “Desengarrafando o seu dia a dia” na UniItalo em Santo Amaro.

A atividade contou com a presença de quase 100 estudantes da Universidade, que se dispuseram em formato de arena, ao redor de um tabuleiro de xadrez em tamanho real cercado por árvores, que compunha o cenário verde e charmoso.

Marcio Nigro abriu a roda contando do Desafio Multimodal, atividade que acontece na Virada da Mobilidade e propõe que seus competidores testem mais de um meio de locomoção para chegar a um destino comum. Explicou que as pessoas que participam dessa atividade se surpreendem com a rapidez que essa oferta de modais oferece: “as pessoas não precisam só pegar um ônibus de porta à porta. É preciso descobrir quais modais podem compor o nosso dia a dia”, concluiu Nigro.

Quando Leão Serva foi apresentado pela gestora ambiental do programa EcoÍtalo da universidade, Milena Beatrice, recebeu sua primeira pergunta da noite: “É possível, afinal, viver em São Paulo sem carro?”, ao que o escritor do livro homônimo respondeu com outra pergunta: “quantas pessoas aqui vieram sem carro?”, recebendo como resposta mãos levantadas de algo como 90% da plateia. “Então. Me parece possível, certo?”.

debate8

Alunos da Uniitalo assistem à roda de conversa “Desengarrafando seu dia a dia”

O livro, que existe desde 2012, ajuda a desmistificar o transporte público como um serviço ruim, ineficiente. “Nosso objetivo é mostrar que pessoas legais, trabalhadores e até globais administram outras formas de locomoção. Já tive um entrevistado que contou ‘poxa, hoje em dia eu posso comer uma caixa de Bis sem culpa porque eu andei o dia todo’. Cada um com as suas prioridades…”, disse, arrancando risadas da plateia. Ainda que descontraído, Serva procurou mostrar as vantagens de não andar de carro na cidade. “Hoje eu estudo no transporte público. Posso ir lendo o caminho todo. E talvez ainda chegue mais rápido que o carro. Afinal, muitos anos atrás, a velocidade média da cidade era de 35km/h. Hoje é de 7km/h”.

Marcelo Moura, da revista Época Sociedade, ressaltou a importância de se empregar, em uma cidade como São Paulo, a teoria de alocações estáveis. A teoria permite combinar necessidades com demandas a partir do cruzamento de dados. “É algo relativamente simples nos dias de hoje e já é usado por aplicativos de paquera. Se usarmos essa prática para melhorar a logística de São Paulo, será muito melhor para nós”, explicou. O impacto desse tecnologia para a mobilidade se destaca na carona, como já acontece com alguns apps e no Waze, que teve impacto transformador: “por que as pessoas não podem sugerir, ali, o caminho mais agradável, mais arborizado? Isso melhora a qualidade de vida das pessoas, fazendo da mobilidade algo mais agradável”. Para Moura, as soluções estão dadas. “Moramos em uma cidade com 12 milhões de habitantes. Com certeza alguém vai ter o que eu procuro e vice e versa, basta sistematizar isso”.

Ao fim, os presentes dialogaram com os palestrantes e colocaram uma série de questões, perguntando sobre referências de estudos em mobilidade, onde achar exemplos de modelos de transporte bem sucedidos mundo afora, como otimizar o trajeto casa-trabalho-faculdade, como atrair a atenção do poder público para a periferia, entre outras indagações. Foi uma noite produtiva, que questionou paradigmas há muito tempo estabelecidos, propondo novas formas de se locomover, colocando em pauta o preconceito contra o transporte público e o modo de se relacionar e de pensar a cidade.

Diário de uma Virada – o fim de semana

A Virada começou num sábado de muito sol com várias atividades na rua e iniciativas criativas e inovadoras.

A primeira atividade de todas, o Desafio Multimodal, reuniu quatro grupos animados que competiram para chegar a um mesmo destino, o Conjunto Nacional. A tarefa parece simples, mas teve que ser cumprida com uma condição: cada grupo tinha que usar ao menos 3 diferentes modais de transporte no trajeto.

Advindas do Parque Villa Lobos, da Cantareira, do Parque Ecológico do Tietê e do Guarapiranga, as equipes chegaram até a Avenida Paulista depois de usarem ônibus, bike, metrô, trem e até patinete! Quem participou da atividade se surpreendeu com o resultado, percebendo que usar mais de um modal para chegar a um destino pode tornar a viagem mais rápida.

12049474_925468317546533_4518934881043588928_n

unnamed-5  unnamed-3
Fotos e vídeo (abaixo) do Desafio Multimodal

 

Depois do Desafio, no período da tarde, a Virada contou com duas atividades para crianças: a Criativismo City, no Vale do Anhangabaú, e os Palhaços sobre Rodas, no Minhocão. Lúdicas e educativas, as duas ensinaram as crianças a respeitarem a sinalização do trânsito, as ciclovias, as placas e as faixas de pedestre e de carros. A primeira delas, fez as crianças absorverem os ensinamentos de trânsito, na medida em que elas simulavam automóveis e vestiam carros de papelão e eram, elas mesmas, os próprios semáforos da cidade. No início da atividade elas se chocavam, de brincadeira, umas com os outros. Mas, ao fim da atividade do Criativismo, passaram a respeitar os sinais do semáforo, as faixas e, inclusive, os pedestres.

 

3palhacossobrerodas-5

 

palhacossobrerodas

Dupla de Palhaços sobre Rodas alegram a Paulista, chamando atenção para os perigos do trânsito

 

A dupla dos Palhaços sobre Rodas, Jupter e Trapino, conseguiu mesclar o tom engraçado com a conscientização a respeito do trânsito. Eles ensinaram às crianças, e adultos, regras básicas de convivência, principalmente entre motoristas e ciclistas, variando entre humor e dados técnicos (no ano passado morreram 47 ciclistas). Na frente do Parque do Trianon, em meio ao movimento de um domingo quente de São Paulo, as crianças observaram a esquete concentradas, entrando no universo dos Palhaços com muita facilidade e naturalidade, ainda que eles estivessem tratando de questões tão sérias como acidentes e mortes no trânsito.

Durante a noite de sábado, também no Vale do Anhangabaú, a Virada ficou muito animada ao som de Vertical Jungle e Cúpula Soul. As duas bandas retrataram as intempéries do cotidiano, problematizando a dificuldade de viver em uma cidade complexa e com periferias mal conectadas, como São Paulo, conscientizando as pessoas sobre a convivência e cuidado que temos que ter com os espaços públicos. Com bancos de balanço e luzes coloridas ao fundo, os músicos chamaram atenção para a mazelas e belezas da cidade, destacando que um dos primeiros passos para ser um agente de mudança, em São Paulo, é refletir e ajudar a melhorar a mobilidade urbana da cidade.

IMG_3290

Banda Vertical Jungle tocou no Vale do Anhangabaú. Suas letras chamavam atenção para a intensidade de São Paulo e outros aspectos do cotidiano

Como a Bike pode beneficiar a sua vida e empresa?

Quer usar a bike para ir trabalhar, mas ainda não tem coragem? Tem uma empresa e quer estimular seus funcionários a utilizarem a bike para irem trabalhar? Então participe dessa atividade.

No dia 24 de setembro a Co.Bike irá fazer uma roda de conversa para trocar ideias sobre as vantagens de inserir a bicicleta na rotina da cidade. Preocupada em transformar a qualidade de vida das pessoas e conectar as necessidades dos ciclistas com ações públicas, a Co.Bike convida todos que procuram estimular o uso da bicicleta na cidade e mudar os deslocamentos diários e o bem estar no cotidiano. A atividade também vai mostrar aos líderes empresariais como eles podem incentivar o uso de novas alternativas de transporte nas suas companhias e problematizar os desafios desse modal.

O objetivo é mudar paradigmas e inserir esse tipo de modalidade no trajeto casa-trabalho, mostrando os benefícios e desafios da bicicleta como meio de transporte do dia a dia, além do seu uso para o lazer. Também serão dadas dicas de segurança, explicações sobre direitos e deveres e instruções sobre a conduta certa, educada e gentil que os ciclistas devem assumir no trânsito.

O intuito dessas instruções é estimular o uso da bicicleta para deslocamentos de até 10 km na cidade, demonstrando aos potenciais ciclistas que é possível deixar de usar o automóvel, pelo menos uma vez na semana, para ir ao trabalho. Ao mesmo tempo, a atividade procurará conscientizar as empresas sobre a importância de sua participação nesse processo, desmistificando os modais alternativos ao carro e ajudando os empresários a incluir outras opções de transporte para seus funcionários e colaboradores.

Desafios e benefícios da bike na sua vida e na sua empresa
19h30 – 22h30
Rua Fidalga, 76, Vila Madalena