Ensinando desde cedo..

Durante a Virada mobilidade, de 18/09 a 23/09 , o Catavento e a Fundação Mapfre serão nossos parceiros para a realização de uma atividade inesquecível para a garotada:

Na Pista Certa

O programa proporciona vivências lúdicas e pedagógicas em um espaço cenográfico com estrutura modular e itinerante para crianças entre 5 e 10 anos. As atividades têm a duração de aproximadamente 50 minutos e conseguem atender cerca de 30 crianças simultaneamente.

Saiba mais aqui

 

MackCidade na Virada da Mobilidade

O MackCidade, Núcleo de Direito e Espaço Urbano, surgiu com o objetivo de fomentar a discussão por uma cidade mais justa, democrática, plural e digna. Para vivenciar essa discussao a experiência fora da sala aula é uma atividade enriquecedora e propicia ao profissional do direito abandonar, por alguns momentos, o mundo das palavras e ir buscar na realidade dos fatos aquilo que deve ser regulado pelo direito.
Foi com esse objetivo que os alunos da Universidade Presbiteriana Mackenzie, como partícipes da Virada da Mobilidade, vivenciaram o direito urbanístico em um ambiente, à frente de um dos maiores hospitais da América Latina, que exige uma intervenção do Poder Publico com vistas a promover uma mobilidade urbana sustentável, onde mais de 45.000 pessoas transitam de forma diuturna, muitas delas com a capacidade de locomoção reduzida.
A participação da Faculdade do Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie contou com 49 alunos de graduação, sob a coordenação de um grupo de professores pesquisadores, que acostumados ao exame de textos jurídicos foram levados a refletir sobre as reais necessidades daqueles que transitam em uma cidade do porte de Sao Paulo. Para que essa reflexão fosse efetiva e real os alunos participaram de atividades operacionais, como a pintura da rua e montagem de espaços mais humanos, interagindo  com o público e experimentando as dificuldades vivenciadas por muitos.
Essa interação foi tão intensa e expressiva que todos, cada um a sua maneira, a todo instante, traziam propostas e sugestões para tornar os espaços mais humanos, justos e democráticos.

O MackCidade agradece a possibilidade dessa interacão e parabeniza todos os envolvidos!

image3

 

 

 

A vida vista por cima

Em 40 segundos resumimos o que foram as 7 horas de duração do evento que transformou –  ainda que de forma passageira –  a Av Dr Eneas de Carvalho Aguiar no ultimo dia 25 de janeiro.

Parabéns São Paulo e a todos os apoiadores do evento!

No aniversário de São Paulo, pedestres serão convidados a participarem de vivência sobre acessibilidade no complexo HC

Com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a importância da acessibilidade, “Maratona Diária pela Vida” irá propor, entre diversas atividades, circuito para pessoas sem deficiência percorrerem de cadeira de rodas

No dia 25 de janeiro, aniversário de São Paulo, das 10h às 17h, a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, a Faculdade de Medicina da USP, o Hospital das Clínicas, a Rede de Reabilitação Lucy Montoro e o Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA) promoverão a “Maratona Diária pela Vida”. A iniciativa acontecerá no complexo do Hospital das Clínicas, localizado na Avenida Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 255 e tem o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a importância da acessibilidade no local. O ponto dá acesso a oito institutos do complexo HC e a circulação de pedestres e ambulâncias ultrapassa um milhão e meio de pessoas por ano. Desse total, boa parte do movimento é de pessoas com mobilidade reduzida. O Instituto Cidade em Movimento (IVM), o Caronetas e Urb-i: Urban Ideas também organizam o evento.

Das 10h às 11h, haverá uma roda de conversa sobre hortas urbanas e PANCs- Plantas Alimentícias Não Convencionais, conduzida pela coordenadora do Grupo de Estudos em Agricultura Urbana do IEA,  Thaís Mauad , além de degustação de pratos produzidos com as PANCs.

Entre 11h e 15h, a atividade Vida sobre Rodas convidará os pedestres a saírem com cadeira de rodas da estação Clínicas do metrô e percorrerem pelo complexo HC. Entre 11h e 12h, haverá a apresentação da banda musical composta por pacientes da Rede de Reabilitação Lucy Montoro; das 12h às 15h, serão ministradas aulas de ginástica postural e haverá circuito de atividades físicas com fisioterapeutas e profissionais do condicionamento físico da Rede e às 15h haverá um desfile do bloco de carnaval.  Ao longo do evento, serão ministradas palestras, oficina de pintura com a boca e os pés, além de estarem disponíveis trenzinhos, handbikes e bicicletas família para todos os participantes. Os presentes também poderão fazer o Tour HC, uma visita guiada pelo complexo hospitalar.

Durante as atividades, o fluxo de veículos será restrito apenas às ambulâncias. As vagas de estacionamento se tornarão espaços de convívio e de atividades para as pessoas e parte da rua será usada como uma ampliação das calçadas, tornando-as maiores e confortáveis. A programação completa pode ser conferida no site: https://viradadamobilidade.com.br/

A ideia do evento surgiu na Virada da Mobilidade de 2017, após a exibição do documentário “(Dis) Mobilidade Urbana”, realizado pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP e a Faculdade de Medicina da USP. O filme mostra os problemas enfrentados por quem circula pela Dr. Enéas.
(https://www.youtube.com/watch?v=J4U3_JiYpk4&t=1s).

Aniversário de São Paulo será marcado pelo evento “Maratona Diária pela Vida”

Dia mundial sem carro 2016 (1) - Berrini_preview

Objetivo é mudar a realidade da via que dá acesso aos oito institutos que integram o Hospital das Clínicas

Reconhecer o pedestre como protagonista da cidade, gerando qualidade de vida e sustentabilidade, é a principal meta do “Maratona Diária pela Vida”, que acontecerá em São Paulo, no dia 25 de janeiro de 2018, na Avenida Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, das 10h às 17h. A via dá acesso a quase oito institutos do complexo do Hospital das Clínicas (HC) da USP e foi pouco pensada para as pessoas que circulam diariamente no local. Seja para atendimentos de emergência, consultas, acompanhamento de parentes ou realização de exames, todos sofrem com a má conservação das calçadas, o trânsito de carros que prejudica o acesso das ambulâncias, a falta de banheiros públicos e a pouca oferta de locais para comer. O problema é ainda mais grave se considerar que boa parte do movimento é de pessoas com mobilidade reduzida.

Resultado de uma parceria que envolve o HC e a Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), o evento visa repensar a mobilidade do entorno da Avenida, que registra a circulação anual de mais de um milhão e meio de pessoas em busca de consultas e exames em um dos institutos do complexo do Hospital das Clínicas.  “Será o começo de uma grande mudança bem no coração do maior complexo hospitalar da América Latina”, destaca a urbanista Carolina Guido, co-fundadora da Urb-i, ao ressaltar que a dificuldade de acesso se estende também aos acompanhantes dos pacientes e aos profissionais da saúde.  Isso porque as calçadas são estreitas, não há área de permanência e os bancos para descanso são raros.

No dia do aniversário de São Paulo, o fluxo de veículos será restrito apenas às ambulâncias, segundo um dos organizadores do evento, Marcio Nigro. “As vagas de estacionamento se tornarão espaços de convívio e de atividades para as pessoas; parte da rua será usada como uma ampliação das calçadas, tornando-as maiores e confortáveis. Também haverá atividades de lazer e saúde, além de food trucks e banheiros públicos. Tudo será feito com cones, plantas e materiais fáceis de serem removidos”, explica.

Durante o evento, serão coletados dados e, posteriormente, testadas as mudanças propostas por um time de urbanistas em parceria com a CET. Após os testes e observações, o segundo passo é desenvolver o projeto temporário, em que as melhorias são feitas com material leve e duram de 1 a 2 anos. Só depois é que as mudanças permanentes são projetadas e saem do papel. “Essa metodologia é o urbanismo tático, que vem sendo usada com sucesso em transformações urbanas ao redor do mundo”, finaliza Carolina.

A ideia do evento surgiu na Virada da Mobilidade de 2017, após a exibição do documentário ‘Dis’Mobilidade Urbana, realizado pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP e a Faculdade de Medicina da USP. O filme, premiado no Mobifilm 2017, mostra os problemas enfrentados por quem circula pela Dr. Enéas. (https://www.youtube.com/watch?v=J4U3_JiYpk4&t=1s)

Além do HC, FMUSP, Caronetas e URb-i, organizam o evento o Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, o Instituto de Medicina Física e Reabilitação (IMREA) e o Instituto Cidade em Movimento (IVM).

Realização:

 Caronetas & wiimove

O Caronetas – caronas inteligentes – é idealizador da Virada da Mobilidade e desde 2017 tem a plataforma wiimove como principal produto de mobilidade corporativa. A sua missão é integrar a carona outras alternativas de transporte público ou privado, criando escolhas inteligentes e sustentáveis que reduzem os custos de transporte de empresas e usuários.

www.wiimove.com.br

Faculdade de Medicina da USP

A Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) é reconhecida por sua atuação nos âmbitos de ensino, pesquisa e extensão universitária. Oferece graduação em Medicina, Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, mesclando educação, pesquisa e assistência à saúde. A pós-graduação é em diversas áreas do conhecimento. O Sistema Acadêmico de Saúde da FMUSP-HC é o mais antigo sistema de saúde universitário brasileiro. Seu principal objetivo é oferecer ensino, pesquisa e atividades de cultura e extensão, com ênfase na multidisciplinaridade e na multi-institucionalidade.

www.fm.usp.br

 IEA-USP

Fundado em 1986 na Universidade de São Paulo, o Instituto de Estudos Avançados (IEA) dedica-se à pesquisa e à discussão de questões científicas, tecnológicas, das humanidades e das artes, bem como à análise e proposição de políticas públicas essenciais para o desenvolvimento do país. Interdisciplinar, o IEA-USP não oferece cursos de graduação ou pós. Sua atuação se dá por meio de grupos de pesquisa e de estudo, cátedras temáticas e pelos professores visitantes.

www.iea.usp.br

 IMREA HC FMUSP

 O Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o IMREA HCMUSP, foi inaugurado em 13 de janeiro de 1975. Atualmente, o IMREA é constituído por cinco unidades: Clínicas, Vila Mariana, Umarizal, Lapa e Morumbi. Em maio de 2008, o Governo do Estado de São Paulo, por meio das Secretarias da Saúde e a então recém-criada Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, criou a Rede de Reabilitação Lucy Montoro e as unidades do IMREA passaram a pertencer à Rede. Atualmente, a instituição conta com 17 unidades em funcionamento em todo o Estado. O IMREA coordena o Comitê Gestor da Rede de Reabilitação Lucy Montoro.

IVM

O Instituto Cidade em Movimento, IVM, é uma associação sem fins lucrativos dedicada à pesquisa e ações em Mobilidade Urbana. Com mais de 17 anos de atuação, o IVM entende que a mobilidade é um tema social e não apenas uma questão de transporte. O seu objetivo é acompanhar as transformações dos centros urbanos em todo o mundo com foco na escala humana. Para isso, se concentra na produção de pesquisas, publicações, exposições e seminários abertos ao público sobre a qualidade do espaço público da mobilidade, intermodalidade e direito à informação, tempo e qualidade dos deslocamentos.

Hospital das Clínicas da FMUSP

O Hospital das Clínicas é um dos principais centros brasileiros de produção e difusão de conhecimento técnico-científico e centro de excelência em ensino, pesquisa e assistência à saúde da população. O complexo é formado por oito institutos (Instituto do Câncer, Instituto Central, Instituto do Coração, Instituto da Criança e do Adolescente, Instituto de Medicina Física e Reabilitação, Instituto de Ortopedia e Traumatologia, Instituto de Psiquiatria e

Instituto de Radiologia), dois hospitais auxiliares (Cotoxó e Suzano), Laboratórios de investigação médica, unidades especializadas e áreas de apoio, além da Escola de Educação Permanente.

 Urb-i

 A Urb-i: Urban Ideas é uma start-up de projetos urbanos com foco no pedestre, que tem como propósito melhorar os espaços públicos da cidade. Com experiência em desenho urbano, a empresa utiliza o placemaking e o urbanismo tático para envolver a sociedade e realizar as transformações. Em setembro de 2017, o projeto da Urb-i foi implantado na rua Joel Carlos Borges com o apoio da Prefeitura de São Paulo e outras organizações.

Site Urb-i: www.urb-i.com

Projeto rua Joel: www.urb-i.com/rua-joel

Instituto de Medicina Tropical

O Instituto de Medicina Tropical (IMT) vem atuando desde sua fundação entre os anos de 1959-1960. Após 40 anos de atividade ligados à Faculdade de Medicina – USP passou a ser um Instituto Especializado da USP (IMT-USP), associando o caráter integrador de um IE da USP à expressão plena de suas finalidades principais voltadas sempre para o ensino, a pesquisa e a formação de especialistas na área de Doenças Tropicais e Saúde Internacional. Além de projetos de pesquisa próprios, o IMT-USP tem participação única e importantíssima na interlocução entre o que é desenvolvido nos Institutos de Pesquisa Básica da USP com o processo de aplicação prática na sociedade. Em outras palavras o IMT-USP consegue se comunicar tanto com os pesquisadores da área básica, como com os médicos que atuam nos hospitais.

Faculdade de Saúde Pública – USP

A origem da Faculdade de Saúde Pública de São Paulo é ligada a criação do “Laboratório de Higiene” em 9 de fevereiro de 1918, funcionando como Cadeira da Faculdade de Medicina. Quatro anos depois, sob o comando de Geraldo Horácio Paula Souza, o então Laboratório de Higiene foi desvinculado dessa Faculdade e rebatizado como Instituto de Hygiene, dando inicio a uma visão multidisciplinar do tema higiene.
Atualmente a antes chamada Escola de Higiene recebe a denominação de Faculdade de Saúde Pública, isso desde 1969 e possui dois cursos: o de Nutrição e o recém-aprovado curso de Saúde Pública, além de cursos de cultura e extensão e o Programa de Pós-graduação em Nutrição e Saúde Pública, que mantém o caráter multidisciplinar da Faculdade – uma tradição dessa instituição.

 

 

Teletrabalho, Reforma Trabalhista e perspectivas da modalidade home office no Brasil

Entrevista com Olimpio Alvares – Diretor de meio Ambiente e Sustentabilidade da Sobratt

Evitar o deslocamento diário de casa para o escritório é uma boa opção? De que forma o trabalho a distância pode beneficiar empresas e funcionários? Quais cuidados são importantes antes de adotar essa prática no dia a dia profissional? Saiba mais sobre o assunto em entrevista exclusiva com Olimpio Alvares, Diretor de meio Ambiente e Sustentabilidade da Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades (Sobratt), autoridade que integra o time de palestrantes da Virada da Mobilidade 2017.

Virada da Mobilidade: O trabalho a distância é uma tendência real no Brasil? Se sim, quais são os principais indícios que apontam para essa nova realidade? 

Olimpio Alvares: A pesquisa nacional inédita de Home Office, em sua segunda edição, indica que o Teletrabalho é uma tendência em crescimento no Brasil. A pesquisa Home Office Brasil, edição 2016, foi feita com 325 empresas de diferentes segmentos e portes, de diversas regiões do país.

De acordo com os dados, o interesse por parte das empresas também aumentou, o que reflete no crescimento de 47% no número de participantes, em relação à primeira edição de 2014. Além disso, mostra que ainda que houve 50% de aumento no número de empresas que estão implantando a prática, 15% de aumento no número de empresas que estão estudando a implantação da prática e de 28% de aumento na formalização da prática.

80% das empresas que adotam o Teletrabalho implantaram o mesmo nos últimos cinco anos. A existência do trabalho a distância ocorre em empresas públicas e privadas, sendo 67% multinacionais.

O estudo foi conduzido pela SAP Consultoria teve o apoio institucional da Sobratt e o patrocínio do GCONTT (Grupo de Consultoria em Teletrabalho).

De que forma empresas e funcionários ganham com essa modalidade de trabalho?

Os principais ganhos obtidos com a implantação da prática, identificados pelas empresas, foram produtividade (54%) e aumento da satisfação e engajamento de colaboradores (85%). Em mais de 80% das empresas, o Home Office é utilizado para a atração e retenção de colaboradores, além de permitir a otimização dos processos internos. O estudo da SAP Consultoria também levantou o comportamento esperado pelas empresas que adotam a prática, junto aos elegíveis; destacaram-se o nível de independência (80%), aspectos tecnológicos (58%), compreensão de seu trabalho (54%) e produtividade (51%).

Como o trabalho a distância pode ser um aliado na busca de melhor mobilidade, principalmente nas grandes capitais?

O Teletrabalho implica, na maioria dos casos, deixar o veículo particular em casa algumas vezes por semana, ou algumas vezes por mês, ou não utilizar o transporte público motorizado, que em grande parte das vezes é o ônibus. Com a disseminação da prática do Teletrabalho nas empresas públicas e privadas em grandes cidades congestionadas, pode-se evitar milhares de deslocamentos motorizados diários nos horários de pico, reduzindo o tráfego, os congestionamentos, o consumo de combustíveis e as emissões atmosféricas tóxicas e de gases do efeito estufa.

Quais cuidados empresas e funcionários devem ter ao adotar esse sistema?

Há muitos aspectos e detalhes a serem observados para a boa prática do Teletrabalho. Vamos citar aqui alguns, de grande relevância:

– Tanto os gestores, quanto os teletrabalhadores devem passar por um período de intensa exposição à informação específica e ao treinamento para que entendam os principais conceitos e aspectos críticos do relacionamento a distância entre empregados e gestores, o que pode evitar eventuais equívocos e  prejuízos para a empresa com um programa mal implementado;

– O regime de Teletrabalho deve ser estabelecido mediante termo aditivo ou novo contrato  que estabeleça claramente todas as condicionantes e especificidades do Teletrabalho: direitos, deveres, horários de trabalho, horas extras, horas de descanso, código de vestuário, questões sobre ergonomia, equipamentos e insumos para o trabalho a distância, regras de segurança da informação, relatórios, regras de segurança e salubridade no trabalho, local apropriado ao desempenho das funções sem interrupção e/ou perturbação de familiares e outros indivíduos, alimentação etc

– O Teletrabalho é baseado essencialmente na confiança dos gestores na capacidade e responsabilidade profissional dos teletrabalhadores. O perfil psicológico e o tipo de atividade são essenciais para determinação da elegibilidade para o Teletrabalho;

– Os gestores devem manter contato estreito com os empregados por meio das tecnologias de informação e comunicação e acompanhar de modo sistemático e organizado o desempenho das atividades dos teletrabalhadores, a fim de avaliar de modo objetivo sua produtividade;

– Pelo menos uma vez por semana é recomendável que os Teletrabalhadores trabalhem de forma presencial, para tratar de temas específicos que demandam uma interação mais profunda com os colegas, bem como para manter uma atividade social saudável e próxima com os companheiros de trabalho, chefias e subordinados.

Quais ações são promovidas pela Sobratt no Brasil?

Entre as ações e objetivos da Sobratt, observa-se ao longo de seus dezoito anos de existência, a ênfase na construção de uma rede nacional de especialistas e estudiosos do Teletrabalho e de sinergias capazes de unificar os principais atores na promoção dessa modalidade de subordinação trabalhista, para uma maior penetração junto a tomadores de decisão das organizações públicas e privadas.

Assim, a Sobratt visa a criar e a manter um fórum aberto para a troca permanente de informações entre seus diretores, associados e a sociedade civil, participando em múltiplos fóruns e produzindo dados, informação e conhecimento novo no Brasil, sobre o trabalho a distância.

A Sobratt tem ainda se destacado pela sua forte influência sobre autoridades públicas, políticos e tomadores de decisão e na criação de legislação de incentivo à modalidade do trabalho a distância no Brasil, bem como pelo apoio às iniciativas e associações de Teletrabalho em todo o mundo.

Como parte das atividades da Virada da Mobilidade 2017, a Sobratt promoveu um TeleCoffice no qual, entre outros assuntos, foram abordadas questões sobre a Reforma Trabalhista e o Teletrabalho. O que há para se destacar em relação ao tema?

Com a reforma trabalhista foi estabelecido que o trabalho em home office não está mais sujeito ao controle de jornada, o que acaba por excluir esse trabalhador do recebimento de horas extras. A partir de agora, a prestação do serviço em Teletrabalho deve ser prevista no contrato de trabalho. Para os que já praticam o home office, deverá ser feito um aditivo contratual.

Com a reforma da lei trabalhista, as despesas do empregado para exercer o trabalho a distância devem ser previstas no arranjo contratual. No tocante às normas de segurança do trabalho, a reforma exige que o empregador oriente seus empregados em relação aos cuidados a tomar a fim de evitar doenças e acidentes de trabalho. O empregado tem que assinar um termo de responsabilidade comprometendo-se a seguir as instruções.

E o que falar sobre tecnologia? Atualmente, quais são as inovações e ferramentas que possibilitam que o trabalho remoto seja realizado com eficiência e segurança?

Nosso Diretor de Tecnologia da Sobratt, Fernando Angelieri, explica em sua exposição no Telecoffice da Virada que, na realidade, não houve nenhuma “grande inovação”, mas sim, um aumento de soluções, redução de custo pela concorrência e aumento de funcionalidades, devido ao poder de processamento dos equipamentos, aliado ao aumento de velocidade de conexão com a Internet.

Para se fazer uma vídeo conferência, há 15 ou 17 anos atrás, seria necessário um computador muito poderoso, para processar, renderizar e compactar o vídeo em tempo real, e uma “grande” conexão com a Internet. Hoje, qualquer celular básico faz isso em uma conexão “fraca”.

A maior inovação que beneficiou o trabalho remoto foi o conceito da nuvem, que não é uma inovação propriamente dita e sim um modelo de negócios, onde a empresa pode de uma maneira mais fácil e com segurança, disponibilizar as informações para seus colaboradores e parceiros de negócios.

O que o senhor acha de iniciativas como a Virada da Mobilidade 2017?

Sempre fui um grande admirador do trabalho dedicado do meu colega de Escola Politécnica, engenheiro Marcio Nigro, verdadeiro mago dos deslocamentos urbanos, com seus trabalhos pioneiros na Caronetas; e também por sua persistência e tenacidade na promoção da ideia da mobilidade sustentável, como forma de transformação da qualidade de vida no meio urbano.

Na Virada da Mobilidade todos os anos – que já se tornou uma marca de São Paulo – ele abre as portas a todos os que atuam e militam nas diversas áreas da mobilidade urbana e oferece espaço para expressão de seu trabalho. É uma atividade valorosa e fantástica. As portas se abriram na Virada da Mobilidade também para a Sobratt e dali para frente muita luz nova foi focalizada sobre o trabalho a distância. Só temos a agradecer por este importante up de nossa bandeira.

Uma palavra aos empresários.

Esqueçam os mitos sobre o Teletrabalho da “Era dos Dinossauros”. Não deem ouvidos aos “caranguejos” da gestão corporativa. Acreditem na ciência da administração empresarial oxigenada, nos depoimentos de empresários e trabalhadores modernos, desapegados das “verdades enferrujadas”.

Apliquem as regras e medidas cautelares mínimas, antes de aderirem ao trabalho a distância. Testem o Teletrabalho e observem seus resultados. O máximo que pode acontecer de errado é a volta, dos que foram para casa, para o escritório. O Teletrabalho é plenamente reversível. Vocês não têm absolutamente nada a perder, só a ganhar. Palavra de quem vive e observa o Teletrabalho em todo mundo.

Uma palavra aos trabalhadores sobre adotar o trabalho a distância em seu dia a dia.

Você que passa cerca de três horas ou mais no trânsito, respirando um ar com concentração tóxica cerca de 10 vezes maior que os que respiram o tempo todo ar venenoso em locais um pouco mais afastados dos corredores de tráfego;

Você que engordou e não tem tempo de sobra para se exercitar, praticar esporte ou fazer um curso de aperfeiçoamento para subir mais um degrau na vida;

Você que quer ou precisa muito de um título acadêmico;

Você, sem tempo de namorar, de conviver com seus filhos, de levá-los até a escola aproveitando esse momento para saber da suas vidas, de seus gostos, de seus relacionamentos;

Você que não lê um livro e, há tempos, não escuta mais seu som, não tem um hobby, não pega um cinema e não vai a um show no meio da semana com seu parceiro ou parceira;

Você que não reza, não medita por excesso de agitação interior ou por pura falta de tempo;

Você, com a mente turvada e mal-humorado, que não rende, que é interrompido a toda hora no congestionado escritório;

Você que se entope de café ruim;

Você, estressado, mal da saúde, desanimado com o desgaste do transporte público;

Você, um ser irritado, que já foi assaltado e que se assusta com o barulho e o astral agressivo das ruas;

Você que não vai à feira do bairro e não come mais aquele pastel com caldo de cana e a comidinha fresca feita em casa;

Você que bateu o carro e gasta um montão de dinheiro à toa com gasolina, estacionamento, seguro, lavagem, desgaste e depreciação de seu carro, ou com o caro transporte público, com o vestuário;

Você, chegado num analgésico!! ….

Você já pensou como seria se trabalhasse alguns dias por semana ou por mês em casa, sem nenhum prejuízo de quem quer que seja?

Então visualize…. e experimente se puder, depois me conte. ●

Saiba mais!

Olimpio Alvares é Diretor da L’Avis Eco-Service, especialista em transporte sustentável. Secretário Executivo da Comissão de Meio Ambiente da Associação Nacional de Transportes Públicos – ANTP; Diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades – SOBRATT.

Leia também:

Entrevista com Márcio Nigro, idealizador e organizador da Virada da Mobilidade